sábado, dezembro 20, 2014

Rádio Comercial em Elvas (emissor de Vila Boim - 105,9 MHz): problema finalmente resolvido!

Após algum tempo a ser interferido por uma emissão da Rádio Nacional de Espanha (RNE), emissora pública do país vizinho, nomeadamente a Rádio 5 a partir de Badajoz (La Luneta) nos 106,0 MHz, o sinal da Rádio Comercial nos 105,9 MHz já chega em condições à cidade de Elvas.

Na sequência de negociações entre a ANACOM e a congénere espanhola, Minetur (Ministerio de Industria, Energía y Turismo), esta última (o regulador espanhol) obrigou a rádio pública de nuestros hermanos a mudar a frequência da Rádio 5 dos 106,0 para os 99,5 MHz. Com esta alteração, o novo emissor em fase de testes da  Rádio Comercial em Vila Boim beneficia não apenas o concelho de Elvas, como também alguns concelhos próximos como Campo Maior, Borba e Vila Viçosa, além de, em  princípio, escutar-se razoavelmente em Badajoz e outras localidades da Extremadura espanhola.

De facto, e conforme o esclarecimento da ANACOM anteriormente mencionado no blogue, a frequência 105,9 MHz foi  atribuída a Portugal no plano de Genebra de 1984, acordo internacional de gestão do espectro radioeléctrico na faixa VHF-FM (87,5~108 MHz), pelo que a ANACOM tem legitimidade para atribuir esta frequência a um operador português. Uma vez que a Espanha estava a utilizar uma frequência adjacente (106,0) a partir de uma localização próxima da fronteira, a RNE teve de mudar para uma frequência livre (99,5 MHz) que não afecta nenhum emissor português perto da fronteira. Portugal e Espanha podem utilizar quaisquer frequências acordadas internacionalmente, dentro do seu território, na condição de não prejudicar as emissões do país vizinho dentro do seu território. Aliás, no caso da Espanha, o mesmo aplicar-se-á mutuamente com Marrocos, Argélia, Andorra e França.

Mais um exemplo de serviço público: RTÉ adia encerramento da emissão da Radio 1 em Onda Longa

Porque o serviço público de rádio não deve reger--se pelos números da audiência em cada plataforma/tecnologia, destaco mais um exemplo de como o interesse público deve por vezes (quase sempre) sobrepor-se à relação custo/audiência.

A RTÉ, operador público irlandês decidiu recentemente adiar a desactivação do serviço em Onda Longa da Radio 1  para o ano de 2017. Note-se que o encerramento do emissor de Clarkstown foi originalmente agendado para o passado dia 27 de Outubro, tendo depois sido protelado para o início de Janeiro do próximo ano. O problema? O número não menosprezável de emigrantes irlandeses no Reino Unido, muitos deles idosos, aos quais não seria fácil migrar para outra tecnologia para continuar a ouvir a "sua" rádio. As soluções propostas pela RTÉ seriam a transmissão via satélite ou Internet.

Com ouvintes que (muitos deles) mal sabem o que é a Internet e aos quais não seria, provavelmente, fácil recorrer a uma antena parabólica para ouvir a RTÉ, a emissora pública da Irlanda deliberou a realização de um estudo destinado a compreender melhor o contexto sócio-cultural e económico dos ouvintes via Onda Longa no Reino Unido, encontrando soluções alternativas para a sintonia da rádio por terras de Sua Majestade. Um exemplo que, aliado à recente reposição da Onda Curta na Rádio Exterior de Espanha, devia inspirar por cá a RTP.

quinta-feira, dezembro 18, 2014

Um verdadeiro exemplo de serviço público: Rádio Exterior de Espanha reactiva as emissões em Onda Curta

É o que se pode afirmar como sendo um autêntico exemplo de serviço público: após ter desactivado todas as emissões em Onda Curta há cerca de 2 meses, a Rádio Nacional de Espanha atendeu aos pedidos dos pescadores espanhóis que ficaram sem alternativa de escuta da Rádio Exterior de Espanha, deliberando a reactivação do centro emissor de Noblejas. Não obstante a redução significativa dos horários de transmissão, a manutenção deste serviço revela a grande importância que a Onda Curta ainda tem, nomeadamente junto de ouvintes que, pelas circunstâncias em que exercem a sua actividade profissional, não estão em condições de escutar a rádio do seu país de forma regular.

De facto, em pleno alto mar não existe a possibilidade da escuta via Internet salvo o recurso a serviços de Internet por satélite, caros e com alguns inconvenientes, ou a escuta directamente por satélite; em qualquer dos casos, é exigida a instalação de uma antena parabólica que terá de ser ajustada cada vez que a embarcação muda de direcção; como se não bastasse, em zonas onde a REE só é escutada em banda C. os ouvintes têm de recorrer a antenas com vários metros de diâmetro...

Não obstante a pressão do sector pesqueiro, a reactivação da Onda Curta beneficiará certamente muitos outros ouvites espalhados pelo mundo que podem voltar a ouvir as vozes de Espanha, literalmente à distância de um botão no rádio. Uma excelente iniciativa que também deveria ser ponderada pela RTP...

terça-feira, dezembro 16, 2014

O futuro próximo da RTP: algumas observações

Perante as notícias recentes a respeito do grupo RTP, tomo a liberdade de comentar duas situações que podem afectar o futuro próximo da rádio (e da televisão públicas):

- Guerra de poder: enquanto que a administração da RTP insiste na tese da  não existência de motivos para a sua destituição, o Conselho Geral Independente alega a disparidade de dados relativos ao retorno financeiro da Liga dos Campeões. Enquanto uns e outros trocam argumentos a respeito da polémica da aquisição dos direitos de transmissão e a pretensão do CGI em demitir a administração da empresa, quem paga a instabilidade na RTP será o serviço público de rádio e televisão. Um operador de rádio e televisão só pode apresentar conteúdos de qualidade se existir um clima de colaboração entre todos os membros que o compõem. Esta guerra não vai beneficiar ninguém. Esperemos que não haja motivações políticas ocultas subjacentes à vontade da destituição da equipa liderada por Alberto da Ponte, por parte de quem criticava a governamentalização da RTP...

- 80 milhões de euros para as grelhas da RTP: Todavia, apesar do aumento do orçamento para cada canal, a rádio pública continua a ser a ovelha negra da família. Do bolo de 80 milhões, as rádios da RTP ficam com uma fatia de 2,4 milhões de euros, partilhada pela Antena 1 (1,3 milhões), Antena 2 (385000 €) e Antena 3 (350000 €), desconhecendo-se os valores específicos para a RDP África e RDP Internacional.É pena que a rádio seja vista como o parente pobre face à supremacia da televisão.

quarta-feira, dezembro 03, 2014

RTP: Liga dos Campeões da UEFA força destituição da administração

Já se previa: a aquisição dos direitos de transmissão da Liga dos Campeões da UEFA por parte da RTP, pela módica quantia de 18 milhões de euros fez entornar o caldo na relação entre o Conselho Geral Independente e a administração da empresa pública de rádio e televisão. O alegado desrespeito pelo dever de informação ao CGI terá levado esta entidade a propôr a destituição da equipa liderada por Alberto da Ponte.

Não obstante gostar de eventos desportivos, considero que o serviço público de rádio e televisão não deve procurar subir nas audiências a qualquer preço. Com a excepção das selecções nacionais - não apenas de futebol mas também de outras modalidades desportivas -, e de outros jogos de relevante interesse público, a presença de futebol na rádio e na televisão públicas deve estar condicionada à disponibilidade financeira da empresa. Como empresa pública, a RTP tem a obrigação de apresentar uma justificação sensata para todos os investimentos estratégicos aos contribuintes.

Neste contexto, não se compreende que uma empresa que corta nos serviços regionais na rádio e televisão, desligou em 2011 a Onda Curta e o DAB, procede a programas de rescisão de contratos e tem reduzido custos em todas as vertentes do serviço público de rádio e televisão, se dá ao luxo de gastar 18 milhões de euros no intuito de subir as audiências da televisão do Estado à conta dos clientes das companhias de electricidade. Ainda por cima, numa área em havia pelo menos um operador privado de televisão interessado no negócio, que foi ultrapassado pela RTP. Numa época em que os portugueses continuam a contar os tostões, os contribuintes devem exigir da RTP uma gestão criteriosa dos recursos financeiros, que devem ser maioritariamente alocados a áreas de importante interesse público que justifique a sua transmissão. E por um preço razoável, tendo a conta a situação económica da empresa.

Assumindo as premissas anteriores, afigura-se-me difícil compreender as motivações objectivas para a tomada de uma decisão estratégica para o futuro da RTP sem considerar a relação custo x benefício da mesma. 18 milhões de euros seriam muito úteis para o reforço dos conteúdos de serviço público nos diversos canais de rádio e televisão do grupo. Afinal, à conta da CAV (contribuição audiovisual), a RTP deverá receber cerca de 160 milhões de euros. Basta uma simples conta de matemática para constatar que um simples campeonato de futebol leva mais de 11% desta "fatia". Será razoável? Creio que não. E, neste caso, compreendo perfeitamente que o único accionista da empresa, o Estado, tenha o bom-senso de agir em conformidade.


Actualização: aparentemente, -e de acordo com o várias fontes - a RTP poderá pagar na ordem dos 15 a 18 milhões de euros, eventualmente durante três anos. Ainda que o valor seja menor, o essencial da questão mantêm-se: o CGI tinha todo o direito a ser informado de uma decisão estratégica da administração da empresa. Adquirir os direitos da UEFA não deve ser encarado como a simples aquisição de um microfone ou de um rato para computador. Perante a crise de confiança instalada, a CGI agiu de uma forma razoável. O pior que pode ocorrer numa empresa será a a não colaboração entre os órgãos que asseguram o regular funcionamento da mesma.

domingo, novembro 30, 2014

Antena 3: ajudar a combater a pobreza infantil "toca a Todos"

A Antena 3 prepara-se para lançar uma iniciativa de solidariedade inédita em Portugal. A partir da próxima  quarta-feira, dia 3, até ao sábado dia 6 de Dezembro, a equipa da Antena 3 muda-se de armas e bagagens para o Terreiro do Paço em Lisboa, onde um estúdio "de vidro" estará montado,

Durante 72 horas, os animadores do terceiro canal da rádio pública portuguesa assegurarão uma emissão especial, com direito a concertos. O "Toca a Todos" é realizado em nome da solidariedade, no intuito de combater a pobreza infantil.

Sem dúvida uma excelente iniciativa da rádio pública, que presta um grande contributo para a sociedade. A ouvir na Antena 3 - e não deixe de contribuir para esta causa!

sábado, novembro 22, 2014

Rádio Tágide (96,7 MHz Abrantes) e Rádio Mangualde (107,1 MHz): alvarás revogados

O Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social deliberou a revogação do alvará da Rádio Tágide (96,7 MHz Abrantes), porquanto a cooperativa proprietária da mesma se encontra em insolvência. Uma vez que a actual lei da rádio estipula a revogação do alvará neste tipo de situações, a ERC não teria outra alternativa que não actuar em conformidade.

Inobstante a não publicação, para já, da respectiva deliberação no sítio Internet da ERC, sabe-se que a Rádio Mangualde (107,1 MHz) terá o mesmo destino, por motivo semelhante: processo de insolvência. Pouco a pouco, vão, infelizmente, morrendo as rádios locais...

quinta-feira, novembro 20, 2014

TSF "sai" das Caldas da Rainha (mas continua nos 103,1 MHz)

Muito triste mas era de esperar. Segundo a edição online do "Jornal das Caldas", a TSF encerrou os estúdios do antigo Rádio Clube das Caldas, mais tarde, Rádio Caldas. Com a transformação da frequência local do concelho (103,1 MHz) em frequência temática informativa, a emissão quase nacional da rádio do grupo Controlinveste passou a ser transmitida 24 horas por dia no emissor caldense.

Recorde-se que houve outros emissores locais, mormente em Faro e Évora, que tiveram um "tratamento" semelhante...

Fi FM: o regresso?

De acordo com vários relatos no grupo Yahoo! do "Mundo da Rádio", corroborados por vídeos no Youtube, a Fi FM (93,7 MHz Amadora) retomou as emissões no início do corrente mês de Novembro , com uma "playlist" actualizada.

De referir que a estação se encontrava quase sempre inactiva desde meados Dezembro de... 2011 (quase três anos!). Desconhecem-se as motivações da reactivação (se a estação foi ou não de facto vendida). Certo é que, em Setembro de 2013 a ERC autorizou a entrega do pedido de cessão do capital social até ao final de Outubro de 2013, sem prejuízo do operador ser obrigado a retomar as emissões até ao final do mesmo ano. Desconheço se entretanto houve autorização da ERC para prorrogar os prazos referidos, uma vez que o reestabelecimento das emissões regulares ocorreu quase um ano depois do previsto pela entidade reguladora.

terça-feira, novembro 04, 2014

Rádio Dom Bosco (Lamego) muda de frequência, para os 94,1 MHz.

A Rádio Dom Bosco alterou recentemente a frequência do seu emissor em Lamego, dos 94,0 para os 94,1 MHz. Esta alteração visa a minimização das interferências do emissor de Bragança da Rádio Comercial (93,9 MHz), sobre a primeira.

sexta-feira, outubro 31, 2014

França: "Maison de la Radio" afectada por incêndio!

Na sequência do incêndio registado na  Maison de la Radio, sede da Radio France, situada em Paris, os diversos canais da rádio pública francesa têm estado hoje a operar sob fortes constrangimentos, que inclusivamente levaram à suspensão das emissões durante várias horas.

Não havendo, tanto quanto se sabe -e felizmente-, feridos a registar, as últimas notícias sugerem que o fogo foi originado num conjunto de pisos do edifício em obras. Esperemos que esta situação pouco mais tenha passado de um enorme susto...

sexta-feira, outubro 24, 2014

Rádio Clube de Alcoutim muda de frequência para os 94,4 MHz

O Rádio Clube de Alcoutim alterou a frequência de emissão, dos 94,3 para os 94,4 MHz. Segundo o utilizador "TMG" no grupo Yahoo, a mudança foi motivada pelas interferências mútuas entre a estação algarvia e a Rádio Ourique (94,2 MHz). Note-se que o operador de Alcoutim começou por operar nos 99,4, tendo mais tarde passado para os 94,3 MHz e, recentemente, para os actuais 94,4 MHz.

ANACOM a respeito da Rádio Comercial nos 105,9 MHz Elvas: la frecuencia es nuestra.

Perdoem-me o castelhano, mas ao parece, e segundo a ANACOM, a ocupação da frequência 105,9 MHz a partir do centro emissor de Vila Boim (Elvas) não resultará de um simples erro de cálculo por parte da entidade reguladora.

Segundo um esclarecimento da ANACOM aos ouvintes que contactaram esta entidade a respeito desta questão, o regulador alega que a frequência 105,9 consta do Plano Internacional de frequências que respeita à faixa 87,5 – 108,0 MHz (Plano de Genebra 1984), ao contrário da frequência espanhola da RNE 5 Badajoz (106,0 MHz), além de salientar que esta última não se encontrar coordenada com Portugal.

Perante esta situação, a ANACOM pretende que a congénere do país vizinho inste a RNE a desligar o emissor de Badajoz ou a alterar as suas características de emissão, no sentido de evitar interferências sobre a Rádio Comercial. Aparentemente, será mais fácil recorrer à diplomacia do que simplesmente alterar a frequência em Vila Boim.

Não tendo sido referido pela ANACOM, acrescento que a frequência 105,9 MHz constava de um concurso de frequências locais (1989 ou mais recente(?)), atribuída ao concelho de Elvas; em todo o caso, no concurso ganho pela Rádio Elvas (final dos anos 90), a frequência definida para o concelho eram os 89,5 MHz (refira-se que entretanto o operador alterou esta última (emissor principal em Vila Boim) para os actuais 91,5 MHz).

Enquanto os reguladores dos dois países não se entendem, a RNE continua a interferir alegremente a Rádio Comercial... Aparentemente, o problema transformou-se num caso de defesa da soberania de frequências acordadas internacionalmente. Compreensível: se a ANACOM impôs restrições de azimute a certos emissores como o da RTP na Serra de Ossa (Estremoz), por forma a não interferir as rádios espanholas, compreende-se que a entidade gestora do espectro radioeléctrica exija que os responsáveis do outro lado da fronteira façam o mesmo quando as rádios espanholas interferem com as portuguesas.

sábado, outubro 18, 2014

Insólito:Rádio Comercial já emite em Elvas... nos 105,9 MHz(!)

No  que diz respeito a questões técnicas no campo da radiodifusão, existem decisões técnicas muito inteligentes e sensatas. E depois existem situações deveras insólitas, bizarras, inacreditáveis e que só não se tornam caricatas porque se esperava que a entidade reguladora do espectro radioeléctrico (ANACOM) fizesse devidamente o seu trabalho no terreno antes de começar a atribuir uma frequência a um operador.

A Rádio Comercial está a emitir a partir de Elvas (desconfio que de Vila Boim), através da frequência 105,9 MHz. Se por si só, esta informação se trata da notícia de um emissor em fase de testes e que se destina a reforçar significativamente o sinal da estação nesta cidade raiana, um pequeno grande pormenor revela a surpreendente ingenuidade, se não desconhecimento da realidade radiofónica na região em causa por parte de quem deveria acautelar situações que prejudicam tanto o operador que pretende instalar o emissor como eventualmente outros operadores. Se este princípio dever-se-ia aplicar sempre com as rádios portuguesas, a análise do espectro radioeléctrico da região deveria ser, por maioria de razão, efectuada de forma rigorosa nas regiões fronteiriças com a vizinha Espanha, porquanto existe uma coordenação internacional na gestão do espectro que deveria garantir que os emissores nas regiões raianas  não prejudicassem a recepção das rádios do outro lado do marco de fronteira, dentro da área de cobertura previstas para estas últimas.

Lamentavelmente, tal não terá seguramente ocorrido no caso de Elvas. Com efeito, bem perto desta cidade,  na vizinha Badajoz (Espanha), a Rádio 5 da RNE (Rádio Nacional de Espanha) opera nos... 106,0 MHz. Disse bem: de um lado, a Comercial nos 105,9; do outro, a cerca de uma dezena de quilómetros da primeira, a RNE 5 irradia nos 106,0 MHz. Nada mais, nada menos, que a 0,1 MHz uma da outra. O resultado? Numa rápida incursão por Elvas, a Comercial "luta" com a RNE, interferindo-se mutuamente. Provavelmente, o resultado em certas zonas de Badajoz não será mais aanimador, até ao momento em que as autoridades espanholas reclamem junto das congéneres portuguesas. O que diriam os ouvintes portugueses da Antena 1 a viver em Valença (via 98,2 MHz), se na vizinha cidade de Tui a Cadena SER passasse a emitir nos 98,3 MHz?

Para agravar o cenário, fora de Elvas, a emissão dos 105,9 MHz interfere e é interferida pela RR Lousã (106,0 MHz). Com estes problemas, receio  que o emissor  não se mantenha activo por muito tempo na actual frequência... Aguardemos por mais desenvolvimentos.

terça-feira, outubro 07, 2014

Rádio Exterior de Espanha encerra as emissões em Onda Curta

Já se previa, mas ficou-se a saber a data: a Rádio Exterior de Espanha encerrará definitivamente as suas emissões em Onda Curta no próximo dia 15 de Outubro. A partir da 4ª feira da próxima semana, os ouvintes terão de recorrer ao satélite ou à Internet se quiserem escutar a REE em qualquer parte do mundo (excepto em território castelhano, onde também está disponível na televisão digital terrestre).

Muito triste. Mas verdadeira desolador é a repetição sem conta do mesmo filme:as emissores em amplitude modulada das emissoras públicas europeias estão rapidamente a passar à história, recorrendo aos mesmos argumentos para justificar decisões políticas. A Onda Longa "não tem" ouvintes, a Onda Curta é "cara" e "obsoleta" e a "moda" passa pela Internet. Mesmo que os pobres pescadores em pleno alto mar ou os ouvintes desfavorecidos economicamente, sem Internet em casa e que não colocam a possibilidade de colocar uma parabólica ao lado da janela, no intuito de ouvir rádio no televisor fiquem a ouvir o som da estática nos seus velhos companheiros receptores de rádio...

quarta-feira, setembro 24, 2014

Onda Longa: Adio, Adieu, Auf Wiedersehen, Goodbye?

Permitam-me a citação de uma música do José Cid, que, infelizmente, temo que se aplique à última tendência europeia no que diz respeito às emissões em Onda Longa (e algumas em Onda Média).

Após o encerramento da esmagadora maioria dos emissores OL na Rússia, é a vez da RTÉ Radio 1 (Irlanda) desligar o emissor de Clarkstown (252 kHz), no final do próximo mês de Outubro. Note-se que a ocupação desta frequência por parte do primeiro canal da rádio pública irlandesa é relativamente recente (desde Março de 2004, salvo erro) e deriva da desactivação dos emissores de Onda Média do operador, há poucos anos.

Como uma notícia triste não vem só, a Deutschland Radio (Alemanha) vai desligar no dia 31 de  Dezembro todos os seus emissores em Onda Longa, a saber: Donebach (153 kHz), Sehlendorf -Oranienburg (177 kHz) e Aholming (207 kHz). Precisamente um ano depois (31/12/2015), os emissores de Onda Média da Deutschlandfunk verão o mesmo destino.

Os argumentos dos operadores são conhecidos: a esmagadora maioria dos ouvintes está bem servida em VHF-FM, na Alemanha promete-se o reforço da rede digital DAB+, existe Internet, existe satélite, em várias zonas há rádio por TDT ou por cabo, muitos ouvintes tem smartphone ou tablet onde podem ouvir online, etc.

Possivelmente a minha pessoa, bem como o leitor deste artigo, bem como os entusiastas do meio, pertencemos às últimas gerações que vêem como se transmite rádio há mais de 80 anos. Porque as gerações mais novas vão retorquir que a modulação de amplitude tem som roufenho, monofónico, distorcido, com ruído e que é, perdoem-me a expressão de um engenheiro electrotécnico com o qual uma vez discuti o assunto, "uma porcaria" [fim de citação].

Há que reconhecer: é muito mais simpático pegar no smartphone, abrir o "Tunein" e "sintonizar" milhares de estações. Ou rodar o botão do rádio DAB+. Mas para mim jamais será a mesma coisa...

quinta-feira, agosto 14, 2014

RDP Açores com novo centro emissor na ilha de São Miguel

A RTP-rádio instalou recentemente um novo centro emissor na ilha de São Miguel (Açores), concretamente na freguesia de Mosteiros (concelho de Ponta Delgada). A nova estrutura destina-se a reforçar o sinal dos três canais da rádio pública no Noroeste da ilha e opera a Antena 1 nos 95,1 MHz, Antena 2 nos 105,2 e a Antena 3 nos 107,0 MHz. Desconheço, para já, a potência de emissão das frequências referidas.

Adianto também que a Antena 3 tem também mais uma frequência nos Açores, a partir do emissor de Lajes do Pico (ilha do Pico): 98,6 MHz.

quarta-feira, agosto 13, 2014

terça-feira, agosto 12, 2014

Alfândega FM e Mirandum FM: emissores finalmente desligados!

Na sequência da não renovação dos alvarás da Alfândega FM (88,2 Alfândega da Fé) e Mirandum FM (100,1 MHz Miranda do Douro) por parte da ERC, os respectivos operadores terão desligado de vez os emissores das rádios, segundo o relato do utilizador "TMG" no grupo Yahoo "Mundo da Rádio".

Não obstante os recursos interpostos pela advogada da Alfândega FM e da Mirandum FM junto da entidade reguladora, os mesmos foram liminarmente indeferidos pelo Conselho Regulador da ERC. Face às circunstâncias, não restava às duas rádios encerrar a actividade.

segunda-feira, julho 14, 2014

Rádio Comercial com nova frequência em Valongo:

De acordo com vários relatos de ouvintes no grupo Yahoo! do "Mundo da Rádio" e noutras plataformas informáticas, a Rádio Comercial tem uma nova frequência na região do Porto: 98,2 MHz. Apesar de ainda não estar oficialmente confirmado, tudo aponta para que se trate do emissor na Serra de Santa Justa (Valongo) que, após a infrutífera experiência nos 88,7 MHz, tem estado desactivado nos últimos meses.

Desconhece-se, para já, a potência utilizada neste emissor a operar a título experimental. É bom ver que a MCR não desistiu do projecto após duas tentativas goradas.


Actualização (18/07): Segundo informação do utilizador "TMG" no grupo Yahoo! do "Mundo da Rádio", a potência aparente radiada (P.A.R.) atribuída pela ANACOM ao emissor da Comercial é de 0,1 kW (100 W).

sábado, junho 28, 2014

Cidade FM passa a... "Cidade":

A Cidade FM vai mudar de designação e de imagem, passando, a partir da próxima quarta-feira, a ostentar a marca "Cidade".

O novo projecto da Media Capital Rádios já promete a aposta em novas plataformas, incluindo a Internet e, em particular, as redes sociais e já tem um slogan que reflecte o espírito da remodelação:  A Cidade não dorme. Por enquanto, as actuais frequências da Cidade FM já modificaram o RDS-PS (texto no visor) para "_CIDADE_" (o  caracter "_" representa espaços em branco) e transmitem música de forma praticamente contínua, apenas intercalada ocasionalmente pelos anúncios publicitários. Adianto que o sítio Internet http://cidade.iol.pt/ já se encontra operacional e encontra-se conforme a nova realidade da estação jovem.

Como referi, a nova "Cidade" utilizará a rede de emissores actual da Cidade FM, a saber: 91,6 Lisboa  + 106,2 Barreiro (Lisboa / Setúbal) + 99,3 Alcanena (Ribatejo)  + 99,7 Penacova (região de Coimbra) + 102,8 Viseu + 101,0 Vale de Cambra (Aveiro / Porto) +  107,2 V. N. Gaia (região do Porto) + 104,4 Amares (Braga)+ 97,2 MHz Redondo (Évora) +  99,7 Loulé (Algarve).

sexta-feira, maio 23, 2014

Rádio Horizonte Tejo transforma-se na Cadena Ser... por umas horas

Por ocasião do final da Liga dos Campeões da UEFA, que levará, literalmente, largos milhares de espanhóis à capital portuguesa para defender as cores do Real Madrid ou do Atlético de Madrid, a Rádio Horizonte Tejo (92,8 MHz Loures) suspenderá por umas horas a sua programação habitual para servir de retransmissor da Cadena SER espanhola. Assim, a partir das 12h00 deste sábado, dia 24 de Maio, a estação lourense transmitirá a programação da conhecida estação castelhana.

Registe-se a situação curiosa que é constatada pelo facto de, apesar da PRISA (proprietário da Cadena SER) ser accionista da Média Capital Rádios, a estação não utilizar o sinal de nenhuma das estações da MCR com emissor na capital portuguesa (M80 Rádio, Smooth FM ou Cidade FM) para servir os milhares de adeptos das equipas madrilenas.

sábado, maio 10, 2014

Mundo da Rádio: 10 anos a marcar a realidade radiofónica!

Se a rádio foi sempre uma das minhas paixões, a emergência da Internet veio-me (e as outros entusiastas das ondas hertzianas) facilitar os contactos. Foi com a Internet que comecei a frequentar alguns sítios, quase todos já desaparecidos, onde a rádio em Portugal e no mundo era abordada não só pelos profissionais da área como por simples ouvintes  que gostavam de discutir a realidade radiofónica em grupos de discussão e fóruns online. Era o tempo da saudosa "Telefonia Virtual" e de diversos grupos de correio electrónico com uma participação razoável de utilizadores unidos pela rádio.

Com o passar dos anos, o aumento do número de utilizadores levou também, infelizmente, à degradação da qualidade desses serviços, motivada por pessoas que não sabem respeitar as mais elementares regras de convivência e educação entre os utilizadores da Internet. Também a extinção de alguns desses sítios, levou à perda de informação muito relevante sobre a rádio em Portugal, não obstante uma parte razoável do espólio poder ser recuperada a partir do Internet Archive Wayback Machine.

É neste enquadramento que, no início de Maio de 2004, ganhei coragem e criei o blogue "Mundo da Rádio" e desenvolvi um pequeno sitio Web no agora extinto Yahoo! Geocities, aproveitando também a conta neste último serviço (Yahoo!)  para criar um grupo de discussão sobre rádio.

Se nos primeiros tempos o número de visitas era residual, o "Mundo da Rádio" foi paulatinamente crescendo não só em qualidade e quantidade de informação como em popularidade. Sendo certo que outros sítios insistiam em discutir assuntos banais que diziam respeito às rádios, o "Mundo da Rádio" sempre quis destacar-se pela vertente técnica da radiodifusão que era praticamente ignorada pela comunidade online de entusiastas deste meio de comunicação social.

Queríamos ser um espaço alternativo onde as pessoas pudessem aprender mais  alguma coisa verdadeiramente interessante a respeito das tecnologias utilizadas no complexo processo que "leva" a voz do locutor do ar para o microfone, do microfone para o sistema de processamento de som, do sinal áudio processado para  o emissor, do emissor para o éter, do éter para a antena do receptor, da antena até ao altifalante e daí até aos ouvidos de quem escuta a emissão. O objectivo do "Mundo da Rádio" será, então, "juntar o melhor de dois mundos": a actualidade radiofónica aliada às questões técnicas.

A verdade, confesso, é que a adesão por parte dos interessados foi relativamente lenta, mas superou as minhas expectativas iniciais. A importância do sítio também se reflectiu num aumento significativo do número de mensagens electrónicas recebidas com questões técnicas ou legais subordinadas à actividade da radiodifusão sonora. É esse, perdoem--me o anglicismo, "feedback" que me incentiva a manter e a melhorar este projecto.

Não obstante ajudar muita gente, tenho de admitir com sincera modéstia que também tenho aprendido muito nesta comunidade. Da discussão nasce a luz e esta  torna-se cada vez mais forte à medida que os intervenientes colaboram no sentido de elevar o nível intelectual do debate de ideias e conhecimentos, ficando todos a ganhar. Sem  o apoio dos utilizadores, diria colaboradores habituais do "Mundo da Rádio", provavelmente não teria alento para manter este sítio.

Ao longo de 10 anos muita coisa evoluiu tecnologicamente. Todavia, a minha convicção nunca foi abalada: a rádio teve passado, tem presente e decerto  terá futuro, assim os operadores saibam aproveitar as mudanças na tecnologia e na sociedade  para melhorar os conteúdos oferecidos pelas estações de rádio.

A todos os colaboradores, utilizadores regulares e visitantes do sítio "Mundo da Rádio" ocorre-me exclamar: Muito Obrigado! Sem a preciosa ajuda de todos, não teria sido possível chegar até aqui.

Ainda há muito por fazer, por isso conto com todos para fazer prosperar ainda mais este sítio nos próximos anos!

sábado, abril 26, 2014

Centenário da rádio em Portugal, 25 de Abril e Antena 3: três dias, três efemérides

Facto raro na história da Rádio em Portugal: comemora-se, em três dias consecutivos, três datas históricas da radiodifusão em Portugal.

Começando no dia 24 de Abril, comemorou-se o centenário do que é considerado o primeiro programa de rádio produzido em Portugal. No mesmo dia, mas em 1914, Fernando Cardelho de Medeiros realizou  o primeiro programa de telefonia sem fios, recorrendo a um gramofone de campânula emprestado e um microfone.

Avançando um dia, mas em 1974, o 25 de Abril trouxe, entre outras conquistas, a liberdade de expressão e a verdadeira liberdade de programação nas rádios. A própria Revolução deve muito à existência da rádio. Como referência histórica, deixo a hiperligação para uma gravação dos Estúdios Alfabeta dos Emissores Associados de Lisboa, às 22h55 do dia 24 de Abril de 1974,  quando o locutor de serviço, João Paulo Diniz, passou a primeira senha do golpe militar que se seguia: o tema "E Depois do Adeus, do Paulo de Carvalho".

Certamente não tão marcante quanto os dois eventos anteriores, hoje, dia 26 de Abril, celebra-se o 20º aniversário da Antena 3. Independentemente dos gostos musicais de cada pessoa, há que reconhecer que a 3 promove a música portuguesa, não apenas os artistas pop mainstream, mas também muita música de cariz mais alternativo por cá produzida. Também a produção da "Prova Oral", programa único no contexto do panorama das rádios nacionais em Portugal é um verdadeiro exemplo de serviço público de rádio.

sábado, abril 12, 2014

Rádio Sim: Assim, Não! Canal sénior da r/com não tuge nem Muge...

... nem Vila Real, nem Bragança, nem Guarda.

Esclarecendo melhor: para poupar Coimbra, a r/com achou por bem suspender os emissores de Onda Média nas cidades Bragança e Guarda (ambos nos 981 kHz 1 kW), além do principal emissor do país (Muge - 594 kHz), mantendo inactivos os emissores de Vila Real (também nos 981), Valongo, Viseu (ambos nos 1251) , Évora (927) e Braga (576 kHz).

Os leitores mais atentos do blogue "Mundo da Rádio" entenderão, decerto, as graves consequências desta decisão: a Rádio Sim deixa de se fazer ouvir em quase todo o território transmontano (à excepção da região de Chaves), bem como em grande parte do interior Norte e Centro. A Rádio Sim é quase que despromovida de rádio nacional a uma cadeia de emissores locais VHF-FM e uma mão cheia de emissores OM, que não serve capitais de distrito como Vila Real, Bragança, Guarda e, não fosse a notável pressão dos ouvintes, a terceira cidade do país, Coimbra.

Quem me conhece destes anos a comentar a actualidade radiofónica, no "Mundo da Rádio", mas também noutros sítios da Internet, sabe bem que, em diversas ocasiões, defendi a Rádio Renascença enquanto emissora católica mas generalista portuguesa consolidada ao longo de 77 anos. Não obstante, considero que será precisamente o peso da credibilidade, respeito e reputação conquistados por gerações de ouvintes que não deveria, à actual administração da r/com, permitir-se ao luxo de tomar decisões que prejudicam de uma forma impetuosa, para não dizer, quiçá chocante, os ouvintes. É que, com os cortes na Onda Média e um número relativamente reduzido de emissores VHF-FM, a rede de emissores da Rádio Sim aparenta ser, salvo no Alentejo e no litoral Norte, um conjunto aleatório de emissores que apresenta graves deficiências de cobertura a nível nacional.

Nas actuais circunstâncias, a Rádio Sim serve os distritos de Lisboa (cobertura parcial FM / boa cobertura OM ), Setúbal (FM), Évora (FM), Beja (cobertura parcial FM, Faro (OM), Santarém (FM - via Rio Maior ), Portalegre (cobertura parcial FM via Elvas), Castelo Branco (OM), Leiria (FM ), Coimbra (OM), Viseu (FM), Porto (FM), Braga (FM), Viana do Castelo (cobertura parcial FM) e Vila Real (cobertura parcial OM). Sem direito a escutar por via hertziana a Rádio Sim (ou escutando com muita dificuldade), os ouvintes transmontanos (Vila Real e Bragança), bem como os demais na região de Aveiro, na Beira Alta (Guarda) e noutras zonas do país fora da área de alcance dos emissores do quarto canal da r/com, querem obrigar pessoas idosas, muitas a viverem com reformas baixas, a comprarem computadores ou tablets e, para cúmulo, subscrevem um serviço de Internet para poderem escutar a música do seu tempo e programas orientados para este público?! Ou será melhor obrigá-los a deixar de ouvir o Francisco José ou o Charles Aznavour e mandá-los (permitam-me a expressão juvenil em tom de ironia) curtir Rihanna ou Imagine Dragons na RFM?

O decoro subjacente à importância histórica da marca "Renascença" e, por maioria de razão, uma emissora que sempre defendeu determinados ideais e valores associados à Igreja Católica Apostólica Romana, exigiria que o encerramento de emissores OM estivesse circunscrito a regiões já servidas pela Rádio Sim, através de frequências VHF-FM. É, evidentemente, os casos de Setúbal, Leiria, Santarém, Porto, Braga, Évora e Viseu. Todavia, repito, não fosse a forte pressão de ouvintes e apoiantes desta causa e Coimbra seria o terceiro mercado radiofónico em Portugal... todavia, sem direito à sintonia da rádio das "músicas do seu tempo". Vou ser directo: se há que reduzir despesa, creio que existem formas mais inteligentes de cortar sem afectar de forma tão dramática os ouvintes. Se é para matar a Onda Média, façam o favor de a enterrar condignamente e de uma vez por todas!

Com rádios locais à deriva pelo país fora, não haverá uns "trocos" para a r/com adquirir uma ou outra frequência local, de modo a que o operador em causa possa retransmitir a Rádio Sim e, desta forma, colocar sinal nalgumas zonas do país sem cobertura? Ou o que terá a antiga província de Trás-os-Montes para não merecer escutar a Rádio Sim nas mesmas condições que os escalabitanos ouvem em Santarém? E por que razão os egitanienses não podem sintonizar de forma cristalina a Rádio Sim como os alentejanos? Os ouvintes, em última análise, a razão da existência da própria rádio, merecem muito mais! Perdoem-me a provocação histórica, os mesmos ouvintes que, provavelmente, contribuíram com a sua esmola nas igrejas , no final dos anos 70 e início dos idos anos 80, a favor da "campanha dos novos emissores", ironicamente os tais que são desligados ao fim de 30 anos e deixam os mesmos e outros ouvintes "pendurados". Para terminar e repetindo-me: respeito pelos ouvintes! Perdoem-me qualquer palavra mais inflamada, mas a frontalidade é uma das minhas qualidades.

sexta-feira, março 28, 2014

r/com recua e reactiva emissor de Coimbra da Rádio Sim

Graças à pressão de muitos ouvintes,  a administração da r/com teve o bom senso de se retractar,  devolvendo a Rádio Sim aos conimbricense.  De facto, o emissor de Coimbra  nos 981 kHz (Onda Média) foi hoje reactivado, operando a estação sénior da emissora católica portuguesa na potência máxima(10 kW).

Trata-se de uma decisão justa e sensata. Não fazia sentido nenhum cortar despesa de uma forma totalmente cega prejudicando seriamente um dos principais centros populacionais do país, onde o não funcionamento da Onda Média inviabilizava por completo (salvo escuta da emissão online) a sintonia da Rádio Sim. Se há que reduzir custos, tal processo deve ser feito de modo a minimizar prejuízos junto da população,  em particular junto de camadas da população mais desfavorecidas, como os idosos, dos quais uma grande fatia não tem possibilidade de ouvir a Rádio Sim sem recurso ao receptor de rádio. Poder-se-ia aceitar um eventual desligamento do emissor OM se,  porventura,  houvesse uma alternativa de escuta em VHF-FM que servisse de forma eficiente a cidade dos estudantes (e de muitos ouvintes séniores que se revêem no projecto da Rádio Sim. Entretanto, a cidade de Vila Real continua com o emissor em Onda Média do quarto canal da emissora católica portuguesa desligado...

sábado, março 22, 2014

Rádio Sim sem emissão em Coimbra e Vila Real: Assim, não!


De acordo com inúmeros relatos de ouvintes da região centro e de Trás-os-Montes, os emissores em Onda Média de Coimbra (10 kW) e Vila Real (1 kW) da Rádio Sim, ambos a operar nos 981 kHz, encontram-se, pelo menos desde o início da corrente semana, desligados.

Trata-se de facto, de uma situação gravíssima, atendendo ao facto de se tratarem de duas zonas do país sem alternativas viáveis de escuta em OM, muito menos em VHF-FM. Na verdade, grande parte da região centro está agora totalmente dependente do emissor de Muge (594 kHz), que se encontra a operar com uma potência (2,5 kW) demasiadamente reduzida para proporcionar uma qualidade de recepção adequada, em especial na capital banhada pelo Rio Mondego.

Uma fonte da estação tem justificado, na página da Rádio Sim no Facebook,  o não funcionamento dos dois emissores com uma «avaria grave». Receio, no entanto, que possa haver (ainda que não admitidos pela estação) outros motivos que não estritamente técnicos (leia-se, económicos) para este desligamento. Resta aguardar por desenvolvimentos.

Independentemente das razões que levam ao silenciamento da Onda Média, nas duas capitais de distrito mencionadas, da estação sénior integrada na emissora católica portuguesa, refira-se que, numa perspectiva lata, considerando toda a região Centro,  a Rádio Sim encontra-se, neste momento, a ser servida através das frequências VHF-FM de Leiria (95,1 MHz) e Viseu (106,4 MHz). Com a desactivação temporária do emissor OM de Viseu (1251 kHz), esta deixou de ser opção. Sem haver frequência VHF-FM alternativa entre Leiria e Viseu, Coimbra tornou-se uma das poucas capitais de distrito sem possibilidade de escuta da Rádio Sim (salvo recurso à emissão online).

  Já a situação de Vila Real, não é, de todo, muito melhor: o emissor de Onda Média mais próximo da capital transmontana será o de Chaves (1251 kHz), não havendo qualquer hipótese de recepção via VHF-FM! Recorde-se que, há pouco menos de um ano, a r/com desactivou, oficialmente a título temporário, não só o emissor OM de Viseu já mencionado (1251 kHz 10 kW), como os de Valongo (também nos 1251 kHz), Braga (576 kHz 10 kW) e Évora (927 kHz 1 kW). Todavia, ao contrário do que ocorre em Coimbra e Vila Real, o  desligamento dos emissores em causa foi minimizado mercê do funcionamento de emissores VHF-FM nas regiões afectadas. Considerando que Coimbra é a quarta capital de distrito com maior população, logo atrás de Lisboa, Porto e Braga, exigir-se-ia que a r/com encontrasse uma frequência VHF-FM local da região de Coimbra que assegurasse sinal da Rádio Sim na cidade dos estudantes (mas certamente também de muitos séniores ouvintes da estação). Que a morte da Onda Média não signifique o abandono dos ouvintes, em especial nas principais capitais de distrito do nosso Portugal!

quinta-feira, fevereiro 13, 2014

13 de Fevereiro de 2014: Dia mundial da Rádio

Dia 13 de Fevereiro de 2014: mais um dia mundial em que a rádio é rainha. Mais do que somente um meio de comunicação, a rádio informa, entretém, alegra e entristece. Se tivesse de definir o conceito de rádio, diria que...

A rádio é notícia; para o bem e para o mal, rádio é política,  de Oliveira Salazar passando por Marcello Caetano, Movimento das Forças Armadas,  PREC, democracia, queda do avião onde Sá Carneiro, Adelino Amaro da Costa e outros pereceram; rádio é Mário Soares e Mota Pinto; rádio é CEE, incêndio no Chiado lisboeta, buzinão na Ponte 25 de Abril, Expo'98, Euro 2004. Rádio é Troika, austeridade e desespero. A rádio transmite esperança no futuro.

A rádio é uma revolução tecnológica no jornalismo: teve a fantástica inovação de trazer aos ouvintes as notícias em directo, em cima do acontecimento. Durante séculos, notícia de última hora significava ter de esperar dias pela próxima edição do jornal. Com a rádio, a notícia passou a ser divulgada no exacto momento em que se desenrola a acção.

A rádio permite o arranque de revoluções, a rádio constrói personalidades de vários quadrantes da sociedade. A rádio destrói ministros que se decidem por contar anedotas de humor negro aos microfones. A rádio descredibiliza políticos que se esquecem do microfone ligado. Mas a rádio também permite ganhar eleições, credibilizar instituições, lançar ondas de solidariedade e motivar pessoas.

A rádio é desporto: é pedaladas do Joaquim Agostinho, são os golos do Eusébio e do Cristiano Ronaldo; rádio é Rosa Mota, Carlos Lopes, Nelson Évora. Rádio são relatos imortais de Artur Agostinho a Jorge Perestrelo, a Nuno Matos. Rádio são medalhas olímpicas, taças da Liga dos Campeões, europeus e mundiais de futebol. Todavia, a rádio também revela ao mundo autênticas decepções  e até fraudes no desporto.

A rádio é música de A de ABBA até Z de ZZ Top. Rádio é fado da Amália. Rádio é A de Amália Rodrigues, B de Blind Zero, C de Carlos do Carmo, D de Deolinda,... até X de Xutos e Pontapés e X-Wife, Z de ZEM.

A rádio é cultura, é literatura, é arte, é religião, é humor, é debate, é entrevista, é opinião. Rádio é Martin Luther King e Nelson Mandela, rádio é Dalai Dama e José Ramos-Horta.

A rádio é Emissora Nacional, Radiodifusão Portuguesa, Rádio e Televisão de Portugal, Rádio Renascença, Rádio Clube Português, Emissores Associados de Lisboa, Emissores do Norte Reunidos... Rádio é RDP-Rádio Comercial, rádio são rádios locais, é Antena 3, Correio da Manhã Rádio, é TSF, Rádio Cidade e Rádio Nostalgia, é Super FM,  XFM e Rádio Capital. Rádio é Mega FM, Cidade FM, Foxx FM, Rádio Clube, Star FM. Rádio é M80, Rádio Sim, Smooth FM e muitas outras estações.

A rádio é BBC, Deutsche Welle, RFI, Voz da América, Rádio Moscovo / Voz da Rússia, é Rádio Nacional de Espanha e National Public Radio. Rádio é Portugal, é Europa, é África, é América, é Oceania e até Antárctida.  Rádio é Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Faro. Rádio é Alfândega da Fé e São Brás de Alportel. Rádio é Tóquio, é Londres e Honolulu.

A rádio é alegria e liberdade. Rádio é guerra civil espanhola, II Guerra Mundial, Guerra do Vietname e Guerra do Iraque. Rádio é queda da ditadura fascista e instauração da democracia.É capitalismo e comunismo soviético. Rádio são desastres como Chernobyl ou o sismo e tsunami asiático de 2004 mas também festas como a queda do Muro de Berlim ou a morte de Saddam Hussein.

Rádio são pessoas como Marques Vidal ou Maria Teresa Quintas; rádio é Pedro Rolo Duarte, Luís Filipe Barros, António Sérgio, António Sala, sem desprimor por muitos outros profissionais que merecem o maior respeito pela sua carreira aos microfones da rádio.

Rádio é Onda Longa, Onda Média e Onda Curta; rádio é VHF-FM, DAB, DRM, satélite; rádio é computador, smartphone e tablet. Rádio, qualquer que seja o meio de escuta, é companhia nos bons e maus momentos.

De forma lacónica: rádio é passado, presente e futuro. A rádio mudou o mundo e o mundo mudou a rádio. E, do mundo da rádio, venho partilhando as mudanças há 10 anos, neste blog. Porque a rádio é o camaleão dos media: adaptou-se à vinda da televisão, adapta-se ao advento da Internet e, acredito, jamais morrerá enquanto houver quem tiver algo a dizer e existirem pessoas interessadas em escutar.

A todos os profissionais que trabalham incansavelmente dia após dia para que a rádio continue viva, sejam jornalistas, locutores, técnicos, engenheiros de comunicações e muitas outras actividades profissionais, cinjo-me a quatro palavras: muito obrigado por tudo!

sábado, fevereiro 08, 2014

Rádio Batalha encerra emissões

Mais uma rádio local que, infelizmente, não resiste aos tempos. A Rádio Batalha (104,8 MHz Batalha - distrito de Leiria) encerrou as suas emissões após 26 anos de actividade, no passado mês de Janeiro.

O sítio Internet do jornal "Região de Leiria" refere que a cooperativa gestora do operador radiofónico alegadamente não dispunha de quórum para permanecer em funções, visto que apenas 4 dos 7 membros faziam parte dos órgãos sociais da rádio. Perante o risco de assegurar a actividade da emissora em condições ilegais, os cooperantes deliberaram o encerramento da rádio local batalhense.

quarta-feira, janeiro 29, 2014

Rádio Renascença com novo emissor experimental na Serra de Stª Justa (Valongo):

A emissora católica portuguesa activou, esta semana, mais um emissor para a Rádio Renascença, desta vez na Serra de Santa Justa (concelho de Valongo), onde, aliás, a RFM já dispõe de uma frequência: 106,2 MHz.

O novo emissor da RR opera nos 104,5 MHz a título experimental (autorização temporária da ANACOM, como é usual nestes casos) e destina-se, naturalmente, a reforçar o sinal do primeiro canal do grupo r/com na cidade de Valongo e vale do Rio Sousa. Desconhecem-se, para já, mais pormenores a respeito da estrutura radiante.

Rádio Juventude (101,8 MHz Castelo Branco) na iminência de perder o alvará!

De acordo com a lista de deliberações da ERC referente à reunião do passado dia 2 de Janeiro, a entidade reguladora para a comunicação social terá  determinado a revogação do alvará da Rádio Juventude (Castelo Branco). Ainda que a deliberação não esteja ainda disponível, a descrição presente na página Internet supramencionada sugere que esta se baseia no facto, constatado pela ERC, de o operador albicastrense não assegurar emissões regulares há mais de dois meses, eventualmente a par de outras irregularidades detectadas. 

Desconhecendo em pormenor as motivações do Conselho Regulador, resta aguardar pela publicação online do relatório da deliberação.