terça-feira, março 14, 2017

Locutora da Paivense FM agredida no estúdio!

Se existem situações que devem ser mencionadas, para não dizer denunciadas, no blogue, estas seguramente incluem comportamentos totalmente inaceitáveis não apenas por se tratar do posto de trabalho de uma profissional da rádio, como igualmente por consistir numa atitude condenável perante a sociedade contemporânea em que nos incluímos.

Segundo a edição de hoje do "Jornal de Notícias", citada pelo profissional da rádio Jorge Guimarães Silva na rede social "Facebook", uma locutora da Paivense FM (rádio local do concelho de Castelo de Paiva) garante ter sido sujeita a agressão por parte de um colega, quando esta estaria a gravar um programa numa hora em que apenas os dois se encontravam nas instalações da emissora e se terá dirigido ao visado no intuito de solicitar que este cessasse o barulho decorrente do arrasto de cadeiras e bater de portas. Alegadamente, o colega terá reagido fisicamente e no imediato de forma violenta, tendo a profissional em causa recebido posteriormente assistência hospitalar.

Perante uma situação com estes contornos, e não nos cabendo desempenhar o papel de magistrado, em circunstância alguma, e, por maioria da razão no sector da comunicação social onde todo e qualquer profissional deveria dar exemplos de comportamentos que beneficiem a sociedade, resolver qualquer problema recorrendo à violência física não só não resolve nenhum problema, como também não é nem pode ser considerado razoável em pleno século XXI. Numa qualquer rádio, tenha 1 ou 1 milhão de ouvintes, nenhum profissional deveria dar-se ao luxo de desprestigiar o meio através de atitudes trogloditas contra um ou uma colega. A rádio deve constituir um exemplo de seriedade e respeito pelas regras da sociedade a seguir por quem a ouve - e isto também se deve reflectir na postura adoptada quando o microfone está desligado. Independentemente do desenvolvimento do caso, que provavelmente passará pela via judicial, este episódio deve constituir um pretexto de reflexão por parte de cada profissional do sector da radiodifusão, no sentido de reforçar a linha vermelha na fronteira entre o admissível e o moral e legalmente inaceitável dentro de um estúdio de rádio. De qualquer modo, não deixo de desejar as melhoras à profissional envolvida, esperando o seu rápido restabelecimento.

1 comentário:

Vítor Rodrigues disse...

Se isso for verdade, eu não conheço o Pedro Moura, porque tenho firme certeza que o Pedro Moura que conheço não fazia isto de certeza, algo mais deve ser esclarecido e vocês como jornalistas deviam procurar verdades e não noticias... Mas o jornalismo português é mesmo assim a nível nacional, quer é escrever algo depois os tribunais resolvem se é verdade é ou não. O que vocês fazem está longe de ser jornalismo.